Verbos impessoais e unipessoais em gramáticas brasileiras oitocentistas do português

Bruna Soares Polachini

Resumen


Neste artigo, considerando que existe certa controvérsia acerca dos termos verbo impessoal e verbo unipessoal em gramaticografias de diversas línguas no século XIX, intentamos examinar de que forma essa controvérsia se deu em gramáticas brasileiras do português representativas desse século, a saber: Morais Silva (1806), Coruja (1835), Sotero dos Reis (1866), Freire da Silva ([1871] 21875), Ribeiro (1881) e Maciel ([1887] 31902). Para tanto, propomos dois objetivos: (1) identificar qual termo era usado ou preferido em cada obra; (2) compreender que causa pode estar por trás dessa preferência. Tendo como hipótese a relação entre a concepção de verbo impessoal/unipessoal com a concepção de sentença, primeiramente observamos o conteúdo focal de cada termo (cf. Swiggers 2010) e posteriormente seu conteúdo contrastivo, i.e., checamos se havia de fato relação entre as duas concepções. Chegamos à conclusão de que as gramáticas cuja concepção de sentença se aproxima daquela da gramática filosófica francesa preferiam o termo unipessoal, visto que o sujeito e o atributo estavam incluídos no verbo. Portanto, esse termo se referia à defectividade do verbo. Posteriormente, o termo impessoal refere-se à negação do sujeito, seja ele impessoal ou indeterminado, e nesse mesmo momento há, ao menos, duas novas concepções de sentença, uma em que todas suas segmentações devem ser binárias, e outra em que os dados observáveis são mais relevantes do que a teoria.


Palabras clave


nineteenth-century grammar of Brazilian Portuguese; metalanguage; sentence; impersonal verb; unipersonal verb

Texto completo:

PDF

Referencias


1. Coruja, Antonio A. P. [1835] 1873. Compendio da grammatica da lingua nacional. Nova Edição Ampliada e Mais Correcta. Rio de Janeiro: Esperança.

2. Freire da Silva, Augusto. [1871] 21875. Grammatica Portugueza. Maranhão: Typ. do Frias.

3. Maciel, Maximino de Araújo. [1887] 31902. Grammatica Descriptiva baseada nas doutrinas modernas. 3a edição augmentada com muitas notas e resumos synopticos. Rio de Janeiro e Paris: H. Garnier Livreiro-Editor.

4. Morais Silva, Antonio de. 1806. Epítome da Grammatica Portugueza. Lisboa: Simão Thaddeo Ferreira.

5. Ribeiro, Júlio. 1881. Grammatica Portugueza. São Paulo: Tip. Jorge Seckler.

6. Sotero dos Reis, Francisco. 1866. Grammatica portugueza accommodada aos principios geraes da palavra, seguidos de immediata applicação pratica. Maranhão: Typ. de R. de Almeida.

7. Argote, Jeronymo Contador de. 21725. Regras de Lingua Portugueza, espelho da lingua latina, ua disposição para facilitar o ensino da lingua Latina pelas regras da Portugueza. Muyto accrescentada, e correcta. Segunda impressão. Lisboa Occidental: Officina da musica.

8. Arnauld, Antoine / Lancelot, Claude. [1660] 41780. Grammaire Générale et Raisonnée. Paris : Librairie Durand neveu.

9. Barros, João de. 1540. Grammatica da lingua portugueza. Olyssippone: Logouicum Rotorigiu Typographum.

10. Becker, Karl Ferdinand. 1830. A Grammar of the German Language. London: Longman, Brown, Green, and Longmans.

11. Cavaliere, Ricardo. 2001. “Uma proposta de periodização dos estudos linguísticos no Brasil”. Alfa 45. 49-69.

12. Constâncio, Francisco S. 1831. Grammatica Analytica da língua portugueza. Rio de Janeiro: Casa de Souza, Laemmert e C.

13. Peixoto, José Costa. 21858. Grammatica Hespanhola para uso dos Portuguezes. Lisboa: Typ. de Maria Madre de Deus.

14. Elia, Silvio. 21975. “Os Estudos Filológicos no Brasil” Ensaios de Filologia e Linguística. 117-176. Rio de Janeiro: Grifo.

15. Ferreira, Francisco S. 1819. Elementos de grammatica portugueza. Lisboa: Impressão Régia. Freire da Silva, Augusto. 81894. Grammatica Portugueza. São Paulo: J. B. Endrizzi &C. Graffi, Giorgio. 2001. 200 years of syntax: a critical survey. Studies in the History of the Language Sciences 98. Amsterdam: John Benjamins.

16. Koerner, Konrad. 1989. “On the problem of ‘influence’” Practicing Linguistic Historiography. Series III - Studies in the history of the language sciences, v. 50. 31-46. Amsterdam/Philadelphia: John Benjamins Publishing Company.

17. Macedo, Joaquim F. 1862. Compendio de Grammatica Portugueza. Lisboa: typ. da Sociedade typographica franco-portugueza.

18. Mason, Charles P. [1858] 181873. English Grammar – including the principles of grammatical analysis. Eighteenth Edition (revised and enlarged). London: Bell & Daldy, York Street, Covent Garden.

19. Nascentes, Antenor. 1939. “A filologia portuguesa no Brasil (esboço histórico)” Estudos Filologicos. 21-45. Rio de Janeiro: Civilização Brasileira.

20. Nebrija, Antonio. [1492] 1909. Grammatica Castellana reprioduction phototypique de l’édition princeps (1492) publiée avec une préface par E. Walberg. Halle A. S. Max Niemeyer, Éditeur.

21. Oliveira, Fernão de. 1536. Grammatica da Lingoagem portuguesa. Lisboa: em Casa de German Galharde.

22. Parreira, Andressa D. 2011. Contribución a la historia de la gramática brasileña del siglo XIX. Tesis doctoral. Universidad de Salamanca.

23. Pereira, Eduardo C. 1907. Grammatica Expositiva. São Paulo: Weiszflog irmãos & Co. Polachini, Bruna S. 2012. “Considerações sobre o impacto da Grammaire Générale et Raisonnée de Port-Royal (1660) no tratamento da sintaxe de gramáticas brasileiras do português do século XIX”. Revista Confluência 39-40. 296-314.

24. Polachini, Bruna S. 2013. O tratamento da sintaxe em gramáticas brasileiras do português: estudo historiográfico. Dissertação de Mestrado. Universidade de São Paulo, Faculdade de Filosofia, Letras e Ciências Humanas.

25. Reis Lobato, Antonio. [1770] 21774. Arte da Grammatica da Lingua Portugueza. Lisboa: Typographia Rollandiana.

26. Ribeiro, Julio. 61900. Grammatica Portugueza. São Paulo: Tip. da C. Industrial.

27. Roboredo, Amaro de. 1619. Methodo Grammatica para todas as lingvas. Em Lisboa per Pedro Craesbeeck.

28. Sánchez, Francisco. [1587] 1976. Minerva o De la propiedad de la lengua latina. Madrid. Ediciones Cátedra S.A.

29. Soares Barbosa, Jerônimo. 1822. Grammatica Philosophica da Lingua Portugueza ou principios da grammatica geral applicados á nossa linguagem. Lisboa: Typographia da Academia das Sciencias,

30. Swiggers, Pierre. 2010. “Le métalangage de la linguistique: réflexions à propos de la terminologie et de la terminographie linguistiques”. Revista do GEL 7: 2. 9-29.






Creative Commons License
This work is licensed under a Creative Commons Attribution-NonCommercial-NoDerivatives 4.0 International License.


RAHL - Revista argentina de historiografía lingüística - ISSN 1852-1495

www.rahl.com.ar - info@rahl.com.ar